Vital do Rêgo: não há falta de médicos, mas má distribuição  
  Data de publicação: 16/05/2011  
     
 

Baseando-se em dados de pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde em parceria com o Conselho Federal de Medicina, o senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) afirmou em Plenário, no dia 24/03/2011, que não há falta de médicos, enfermeiros e dentistas no Brasil.

Segundo ele, o que existe, na verdade, é uma situação de desequilíbrio causada pelo fato de esses profissionais se encontrarem majoritariamente concentrados nas capitais e nos estados mais ricos.

- A distribuição de médicos, enfermeiros e odontólogos é um retrato perfeito e acabado da desigualdade que marca a ferro e fogo a história do Brasil - disse.

De acordo com Vital do Rêgo, a região Sudeste concentra 42% da população do país e 55% dos médicos, o que resulta num total de 439 habitantes para cada médico. A recomendação da Organização Mundial da Saúde, informou ele, é de pelo menos 1 médico para 1.000 pessoas.

Por outro lado, na região Norte, há apenas um médico para cada grupo de 1.130 habitantes, sendo que nos rincões, como no interior de Roraima, o quadro é muito pior: um médico para 10.306 habitantes.

Vital do Rêgo observou ainda que também dentro das unidades federativas mais aquinhoadas com profissionais da área de saúde, há profundas dessemelhanças entre sub-regiões, cidades e, até mesmo, entre os bairros ricos e pobres. Em Maringá, no Paraná, citou ele, a Prefeitura realizou em 2007, cinco concursos em dois anos sem conseguir preencher 11 vagas do Programa Saúde da Família.

Em apartes, os senadores Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR), Waldemir Moka (PMDB-MS) e João Pedro (PT-AM) manifestaram seu apoio ao pronunciamento de Vital do Rêgo.

Da Redação / Agência Senado

(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

 
     
   
 

 

 

 © Copyright 2020 - Todos os direitos reservados a Camargo e Campos Desenv. VisioArt